Ps Akel Mc vs ZA

[Round 1: Ps Akel Mc]

A tua rima é foleira e eu mato-te logo à primeira

Qualquer uma das minhas mix’ é maior q’a tua carreira

Tu devias ‘tar na plateia, como ‘tavas no outro dia

A roçar-te na peida da Blink, essa merda é pedofilia

Vais sair daqui com azia, porque eu não sou comestível

Imbatível, subo o nível como se fosse combustível

Não tens história, não tens nível, não ganhas ao Ps Akel

Esse gajo não dá um papo-reto, vocês já viram a boca dele?

Vieste aqui dar uma volta, és só um condutor de Domingo

Mas ‘tás a mais, como quem diz: linha, com todos a jogar pa’ bingo

[Round 1: ZA]

Não vim aqui pa’ divertir ou sequer ser teu amigo

Se esta batalha é amigável, boy, eu fodo-te com jeitinho

E o dread queria ser como eu, com esse estilo ‘tá fodido

A tua baby passou por mim e nem me reconheceu, porque eu ‘tava vestido

E eu sei aquilo que eu sigo, enquanto tu *puff* vais

Tenho menos 10 anos do que tu, mas rimo 20 vezes mais

E nós nunca fomos iguais pois tu queres ser o Samuel Mira

Mas com o jeito da barriga és mais “Samuel Birra”

E isso é antónimo na qualidade das rimas, groupie

Como é que tu és “aquele MC” nunca mataste c’uma multi

Então ouve e aprende:

Eu sinto tudo o que traço, tudo o que faço, o que passo

Estrago pussies, mato estúpidos, rasgo multis, palhaço

Esmago burrice e mato-te, um par de booties ‘tá escaço

Aqui talento, aí ‘tás lento, boy, vai p’o caralho

E se quiseres eu finjo que sinto alguma dor, bitch

Vieste aqui, animador, sou Doutor cheeks

Vim aqui, deixei suor, um granda props à witch

Tu devias ser castor pois tens um amor dick

E p’ra te acabar, snitch, não são meras palavras

Não peças desculpa de joelhos, senão eu lavo-te as mágoas

E p’ra mais desgraças baza, mas antes de tudo, check this!

Tu metes graça, principalmente aos homens da casa, sobrevalorizam gajas de leggins
[Round 2: Ps Akel Mc]

Eu sei que é complicado enfrentares o teu próprio pai

Então cuido de ti como se tu fosses um bonsai

Mas há uma pergunta pertinente [tipo “Am I?”?]

Se cantas pelo nariz o teu ranho de onde é que sai?

Liga KnockOut, ficas em blackout

Eu canto o que eu quero, que safoda o shout out

A origem de seres tão wack é que tu ainda és virgem no rap

Andas nisto há tão pouco tempo que devias rimar de babete

Me’mo que tragas a maior punch da tua vida ela não me fadiga

Porque tu não és rapper, és apenas mais um byter da primeira liga

Em ti vejo o V, vejo o R, e vejo o ST, captas?

É triste o herói de hoje em dia conseguir vestir tantas capas

[Round 2: ZA]

Akel Mc, ‘tás a ver este público aqui?

Rimas-te há uns segundos já se esqueceram de ti

E podes vir atrás de mim, B, com essa revolta suíno-porca

Com essa voz pareces uma menina ou o Justin Bieber com a moca

Só quem é parvo não troça e, nossa, já mal te vejo

Tu devias ter duas bocas já que tens duplo queixo

Mas assim dá p’ra mais punch, eu não me queixo, mas ‘tás um coche mais fraco

Tu devias bulir na moche já que tu falas barato

E tu ‘tás chato ou com chats, logo eu parto

E bem podes vir com merdas que eu não papo

Mas no papo sou marado

‘Tás de papo, seu falhado

Vais de cana, viras rato

Sou teu mestre e que fazes?

‘Tás no duche da prisa, no banho baixaste e ‘tás de quatro

O resto tu lá sabes[Round 3: Ps Akel Mc]

Vou-te acabar de mudar a fralda, alguém me traga pó talco

Enquanto tu daqui vais pa’ casa, eu daqui vou direto p’o palco

Há uma linha que nos separa e ela é bem maior do que a Zon

Como devia de haver mais que um filtro a separar-te do microfone

ZA, como é que a tua mãe te deixou vir ao [BA?]?

‘Inda é tarde, porque à noite não te vejo cá

‘Tavas aonde? Na casa de um amigo [GA?]?

O teu rap na tuga não dá, devias tentar em Macau

É que lá é cultural veres alguém a comer c’um pau

Eu e os meus tropas resolvemos merdas juntos em todo o [?]

Enquanto tu és um molho de merdas juntas, pareces arroz chau-chau, xau!

[Round 3: ZA]

E eu entro e convenço c’os meus versos

Pensamentos vão dispersos, vão c’o vento, sou mais esperto

Perdes-te e no começo é que te esqueces

Não me meço c’o mesmo que tu te medes

Sou mais puro, sou mais fresh, boy, esquece

Sou aquele que aquece o Universo

Aquele que as linhas tece, aqui da linha L.S

E se não te alinhas, cresce

Não preciso de rimas fast

Boy, investe nas quinas

Se queres rimas p’o sucesso, mexe-te e larga as minhas

Último round, rapaz, e eu já não se és capaz

O dread comeu com tanta punch, tragam-lhe um pouco de paz

E se a da brandeira branca, já nem o rap nos une

Sais daqui, vais fazer sons que batem bué com o Barbosa e o Spoon

A esse lixo sou imune, isso é um [marte?] ir p’ra mais de 100

Até te comparava ao Ricky Martin, mas tu és mais gay

Sim, eu sei, és uma vergonha p’a tua mãe, bem podias ‘tar morto

E se ela fosse do Cacém, eu próprio tinha-a levado à clínica do aborto

Tu não ‘tás manco, ‘tás morto, não me dês tanto se és pouco

E se eu te mato [sem tronco?], os teus dreads vão te reanimar com um coração de porco

E depois vão admirar a minha canção de novo

A tua mixtape não vendeu, admite-me a verdade

E tu doaste-a à Santa Casa, ela devolveu-te revoltada

Mesmo de graça, lá ela só foi espigada

E se isso é solidariedade, eles preferem nem ter nada

Não entremos em contos, pois só uma fada na luta

E no meio da disputa eu digo logo: “Diz, puta”

O dread não rima ponta, escuta

Mato o gajo, tira o [?], convenço-lho

Eu só tenho um conselho p’ra ti:

“Cala a boca e fala só quando o que fores dizer seja mais importante que o silêncio”